domingo, 17 de janeiro de 2010

E assim Lucas simplesmente tenta ir ao cinema novamente...

17 de Janeiro de 2010.

O domingo é um dia especialmente ruim, todo exacto domingo é a mesma coisa, os acontecimentos são os mesmos, chiliques agudos de seu pai, tédio mórbido e programas de televisão com um nível de repetição e burrice muito elevados e essas coisas se repetem todas as semanas causando uma forte reação alérgica em Lucas que sabe muito bem que o remédio para sua alergia é estar com Padmé, mas como isso não vem sendo possível nos últimos 2 meses e meio, Lucas tenta se distrair de alguma maneira para fugir da maldição do domingo, e não abatido com a frustração de ter tentado ir ao cinema a exactos 7 dias atrás(flashback), Lucas decide pegar o seu riocard e utiliza-lo em três conduções somando duas horas de viagem e novamente tentar ir ao cinema.

Já no segundo ônibus, Lucas mais optimista envia até um SMS para Padmé relatando o que tinha acontecido no seu inicio de domingo e informando sua feliz ida ao cinema.

Chegando ao shopping, Lucas agora vasto conhecedor de todos os corredores daquele lugar rapidamente vai direto ao andar onde ficam os cinemas, orgulhosamente tira sua carteira de identidade, miseros 8 reais da carteira e pede meia entrada por ser menor de 21, a atendente muito simpática diz: "O cinemark ganhou a causa dessa lei de menores de 21, paga inteira seu bosta.". Lucas sem acreditar naquilo e despreparado pois não havia trago dinheiro para pagar a inteira, pergunta "como assim ganharam?" a atendente o responde "A audiência foi publica e só compareceram 3 pessoas, um tal de Bion, Velma e também um mendigo que apareceu por causa dos petiscos que estavam servindo lá.". Lucas não acreditando nas 2 horas de viagem que tinha feito até ali, fica desamparado e decide voltar a estação de metrô e voltar para casa, até que lembrar que na estação do Largo do Machado a um cinema Severiano Ribeiro bem em frente a estação que até então nunca tinha entrado lá, e ai se vai mais dois metrôs e mais 40 minutos até a estação.

Lucas chega ao cinema Severiano Ribeiro e se depara com um cinema mega moderno, com estrutura Digital e salas stadium, esse cinema era algo de primeiro mundo, tinha até uma aconchegante biblioteca. Lucas entra na fila do caixa e ao olhar na hora percebe que o filme que queria ver havia começado a 5 minutos(igual a semana passada) mas mesmo assim continua e vai até o caixa e pergunta se eles haviam perdido a causa do direito de menores de 21 pagarem meia, a atendente sorridente diz "Sim", Lucas fica feliz e pergunta se ainda dava para ver o filme que tanto ele queria ver, pois provavelmente ainda estaria passando os trailers, a sorridente atendente informa que a apenas dois lugares mas que Lucas só poderia entrar se tivesse acompanhado ou pagando dois ingressos pois eram lugares reservados a casais. E assim mais uma vez Lucas não consegue ver o tão desejado filme. Lucas fica inconsolável e volta para a estação de Metrô, pega o metrô lotado de pessoas vindo da praia, notava-se pelo bronzeado acamaroado da maioria, a areia da praia no piso do Metrô e o cheiro que tinha um leve toque de farofa, cerveja refogada, mas um odor extremamente necessário para o ambiente ali faltava e era o de desodorante.

Logo um grupo denominado de "Os Farofeiros" com suas líricas vozes começam a cantar algo que eles denominavam "Pagofunk", esse era um mix que fez Lucas pensar como iria contar isso tudo a Padmé sem que ela começasse a rir enlouquecidamente dele e do dia Dejavú do nosso jovem herói.

Nenhum comentário:

Postar um comentário